Brasil
Agricultura

Conheça as principais variedades de soja usadas no Brasil

Em uma plantação de soja, a escolha da melhor semente a ser utilizada é um passo muito importante para garantir uma colheita rentável e com alta produtividade. A cultivar selecionada refletirá em todo processo do cultivo, desde a semeadura até a colheita.  

Como o Brasil é um país com grande extensão territorial e com sojicultura em todas as suas regiões agrícolas as sementes das melhores cultivares são pensadas para atender a toda essa demanda, já que cada região possui características distintas, como condições de solo e climáticas e incidência de pragas e doenças, entre outras .

Por isso, para auxiliar os produtores a alcançar bons resultados em uma safra, existem hoje no mercado uma diversidade de cultivares com características diferentes, que se adaptam às diversas regiões do país. 

Entre as cultivares há aquelas com resistência às nematóides, doenças e pragas, com resistência aos herbicidas e as que apresentam bom desenvolvimento em solos secos com escassez hídrica, entre outras. Há também as com sistemas de reprodução planejados de acordo com cada região do país.

 

Garantia da cultivar ideal

Para garantir a escolha correta da cultivar, o produtor deve, entre outras coisas, realizar a análise do solo antes do plantio da soja. O ideal é que essa análise seja feita, em média, três meses antes do início da safra. Isso permitirá ao agricultor saber os percentuais de fertilidade do solo e, a partir disso, identificar quais as correções e sementes necessárias para a área. 

 

Com as características do solo em mãos, com o entendimento do clima da região e os tipos de doenças comuns a ela, é possível escolher a melhor cultivar sem comprometer a produtividade da lavoura. 


Assim, conforme a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o produtor estará no caminho certo para alcançar uma safra com alta produtividade e rentabilidade. “O sucesso da lavoura de soja depende de diversos fatores, mas sem dúvida, o mais importante deles é a utilização de sementes sadias, de elevada qualidade, que geram plantas de alto vigor, que terão um desempenho superior no campo”.

Principais variedades de soja no Brasil

De acordo com dados atualizados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), existem no Brasil mais de duas mil variedades de soja registradas. 

Diante de tantas opções, saber as características do solo e da região onde será semeada é primordial para escolher a cultivar ideal. Mesmo com as diferenças de clima e solo, algumas variedades se destacam entre os sojicultores do Brasil. As mais plantadas utilizam tecnologia RR, resistentes ao herbicida glifosato, presente em mais de 90% das variedades de soja disponíveis. As novas gerações de sementes com essa tecnologia permitem ao agricultor ciclos mais precoces de produção.

A combinação da tolerância ao glifosato com soluções de controle de lagartas e altas produtividades está presente nas cultivares com tecnologia Intacta, que têm ganho espaço na preferência dos sojicultores dispostos a investir mais na escolha de sementes, mas em contrapartida podem obter uma redução no uso de defensivos e alcançar maiores rendimentos.

A terceira categoria mais utilizada é a das sementes convencionais, sem modificações genéticas para obter resistência específica a alguma molécula. Graças aos avanços na melhoria genética tradicional, também tem havido avanços nesse campo, com novas cultivares com alto potencial produtivo.

Os destaques no portfólio BASF

Entre as variedades disponíveis no portfólio da BASF, seis delas se destacam entre os sojicultores, todas utilizando tecnologias como RR ou Intacta. 

Quatro delas estão entre as sementes verticalizadas, cuja compra é feita por meio de uma revenda ou cooperativa. São elas: 

 

CZ 48B32 IPRO — Com grande amplitude de recomendação geográfica, é uma das cultivares líderes de mercado em Mato Grosso, em especial no cerrado matogrossense. Entre suas características, auxilia o produtor a alcançar níveis diferenciados de produtividade, com estabilidade. Ou seja, maior rendimento de grãos por hectare.  

 

CZ 58B28 IPRO — Cultivar bastante utilizada na região do MaToPiBa — que é composta pelos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia — por possuir um alto teto produtivo e por seu grande percentual de adaptabilidade. Por isso, é a principal referência do agricultor dessa região de modo geral. 

 

CZ 37B43 IPRO — Com elevado teto produtivo, é a cultivar mais utilizada pelos produtores de Goiás, em especial do cerrado e sudoeste goiano. É resistente ao acamamento e tolerante a Macrophomina. Além disso, possui uma arquitetura moderna e favorável aos tratos fitossanitários.

 

CZ 15B70 IPRO — Variedade indicada para o Centro-Sul do país e com a característica de possuir uma ampla recomendação geográfica, ou seja, pode ser utilizada tanto em São Paulo quanto no sul do Rio Grande do Sul. Tem alto teor de produtividade e possui um sistema radicular agressivo, que tolera situações de ambiente complexo de produção, como o estresse hídrico.

Com relação às sementes de licenciamento, que é quando as sementes são adquiridas em sementeiros, duas variedades são bem conhecidas e utilizadas. 

 

SOYTECH 580 I2X — Com alto índice de engalhamento,  potencial produtivo e amplitude de posicionamento, é indicada aos produtores de São Paulo e Rio Grande do Sul. Com elevado peso de mil grãos, possui resistência genética à fitóftora, que pode ser uma das principais doenças de solo nas lavouras de soja no Brasil. 

 

SOYTECH 700 I2X — Com flexibilidade de posicionamento, é indicada para agricultores do oeste de São Paulo até o sul de Tocantins. Trata-se de uma variedade precoce, com alto peso de grão e elevado potencial produtivo.

Leia mais:

Conheça as soluções da BASF para este cultivo: