Brasil
Agricultura

Mofo-branco em soja: ataque ocorre entre os estádios R1 e R4

O mofo-branco é uma das doenças mais antigas e agressivas da cultura da soja. Isso porque quando não manejado adequadamente, pode causar sérios danos à produtividade das lavouras, podendo resultar em perdas de até 70% nas lavouras.  

Tendo como agente causador o fungo Sclerotinia sclerotiorum, é uma doença que acomete a planta em qualquer momento de seu cultivo. Porém, entre os estádios de floração plena (R1) e de formação das vagens (R4) é quando a soja está mais vulnerável aos seus ataques. 

Sintomas do mofo-branco na cultura da soja

O principal sinal de que a planta está sob ataque do Sclerotinia sclerotiorum é a presença de manchas em suas folhas, que apresentam aspecto aquoso e coloração verde-clara. 

Depois, com o avanço do fungo, a cor passa de uma tonalidade clara para um castanho-claro. A partir dessa fase, o patógeno forma seus micélios, que apresentam uma cor branca e densa. 

 

Com o passar do tempo, esse micélio muda de aspecto e evolui para o esclerócio  — massa preta, dura e de tamanho variado, que pode ser encontrada na superfície da planta ou no interior de hastes e vagens infectadas.

“O fungo é capaz de infectar qualquer parte da planta, porém as infecções iniciam-se com frequência a partir das pétalas caídas nas axilas das folhas e dos ramos laterais”, explica a  Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Em algumas situações, a soja com mofo-branco pode ter suas folhas murchas e secas. 

Condições ideais para o mofo-branco na soja

O desenvolvimento da mofo-branco na cultura da soja acontece com maior frequência e facilidade em regiões de clima ameno, com temperaturas entre 10ºC e 21ºC, como aponta a Embrapa.  

Sua contaminação ocorre pelo solo e por sementes. No solo, os esclerócios germinam e desenvolvem apotécios, que por sua vez criam ascósporos e são liberados ao ar e infectam as plantas de soja. 

Já a contaminação por cultivares pode ocorrer pelo micélio interno ou pelos esclerócios, quando estão misturados com as sementes. 

Leia mais:

Conheça as soluções da BASF para este cultivo: