Brasil
Agricultura

Sinais de capim-amargoso na lavoura de soja 

 

O capim-amargoso (Digitaria insularis) é uma planta daninha de fácil reprodução em meio a cultura da soja e de grande potencial destrutivo, podendo ocasionar perdas maiores de 40% em uma lavoura. 


Sendo assim, é hoje um dos piores pesadelos dos sojicultores. Isso porque, além dos seus impactos na cultura, é uma planta que desenvolveu resistência ao herbicida glifosato — até então o principal herbicida utilizado em seu combate —, o que torna seu controle mais complexo e caro. 

 

Portanto, para evitá-lo nas lavouras, ou combatê-lo antes de perdas significativas, os produtores devem ficar atentos aos seus sinais. Eles podem ser facilmente identificados, porém quando a planta já está na fase adulta seu controle se torna mais difícil e pode não ser eficiente. 

Identificando o capim-amargoso

Saber identificar a planta daninha ainda no início de sua emergência na lavoura é a melhor estratégia de combate. Conforme uma publicação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o capim-amargoso tem desenvolvimento lento até após 45 dias de sua emergência. 

 

“Dessa forma, o melhor período para controle de capim-amargoso é até os 35 dias após a emergência, ou seja, plantas jovens e quando os rizomas ainda não foram formados”. 

Além disso, por ser uma erva daninha que se reproduz por meio de sementes ao longo de todo o ano, sua identificação pode ser mais rápida se houver um monitoramento constante da área plantada por uma pessoa capacitada. 

 

Já em fase de desenvolvimento mais avançado, o capim-amargoso pode ser facilmente notado por meio das touceiras, inflorescências que se formam, e/ou a partir de seus rizomas abaixo do solo. 

Na maioria dos casos, quando já estão visíveis no meio da plantação, as panículas (estrutura da planta com ramificação, que vai da base ao ápice) podem ultrapassar um metro de altura. 

 

Quando no estádio adulto, o controle do capim-amargoso é praticamente inviável, uma vez que já está com seus rizomas (caules) bem fortalecidos e desenvolvidos e precisará de um esforço maior e maiores investimentos.

Leia mais:

Conheça as soluções da BASF para este cultivo: