Brasil
Agricultura

Ácaros na cultura da soja: como proteger as lavouras da praga 

A presença de ácaros na cultura da soja tem se tornado comum nas lavouras e, por muito tempo, foi considerada inofensiva à produtividade das leguminosas. E nas últimas safras, sua população tem aumentado nas plantações. 

 

Assim, o que era considerado uma praga secundária, agora é uma ameaça recorrente na cultura, tornando-se o motivo de perdas na produtividade da soja. 

Segundo dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), mesmo que a praga não seja tão prejudicial à soja quanto outras pragas da cultura, é preciso evitá-la. 

 

Isso porque ácaros na soja podem reduzir a eficiência da fotossíntese das plantas e, em casos mais sérios, provocar a desfolha precoce ou a senescência (deterioração que se assemelha ao envelhecimento), o que gera prejuízos na produtividade dos grãos.  


“Em condições experimentais foram observadas perdas de até 4,5 sacas de soja/ha, comparando-se parcelas com e sem controle de ácaros na fase de enchimento de grãos”, aponta a Embrapa.

Por que as lavouras de soja são atacadas por ácaros?

O aparecimento de ácaro na soja merece uma atenção especial do sojicultor. Isso porque, quando ácaros são identificados na lavoura, significa que o sistema da área não está em equilíbrio. 

 

O surgimento de ácaros na agricultura pode acontecer em virtude de vários fatores, como um manejo fitossanitário inadequado da soja, o uso incorreto de produtos químicos e ou em função de longos períodos de estiagem. 

 

Segundo a Embrapa, “a estiagem é o principal fator que favorece o ataque de ácaros (Tetranychidae) na soja. Porém, o manejo fitossanitário inapropriado da cultura pode agravar a intensidade desses ataques. Inseticidas pouco seletivos, como os piretróides, são prejudiciais aos predadores de ácaros-praga”. 

 

Entender como funciona essa espécie e quais são suas variedades é de extrema importância para seu controle em campo. A seguir, conheça os tipos de ácaros que mais afetam a sojicultura no Brasil. 

Como identificar ácaro na soja

Ao todo são registradas seis espécies de ácaros na cultura da soja. São eles o ácaro-verde (Mononychellus planki), ácaro-rajado (Tetranychus urticae), três tipos de ácaros vermelhos (Tetranychus desertorum, Tetranychus gigas e Tetranychus ludeni) e o ácaro-branco (Polyphagotarsonemus latus). 

 

Entre essas espécies, o ácaro-verde e o ácaro-rajado são os mais comumente encontrados nas lavouras de soja. O ácaro-verde é o mais frequente, porém o menos agressivo. Já o ácaro-rajado é mais prejudicial à cultura, mas acontece com menor intensidade. 

 

A melhor maneira de combater esses ácaros na cultura da soja é saber identificar suas espécies, onde se desenvolvem melhor e como realizar o correto manejo do solo e fitossanitário, para evitar não só os ácaros como outras doenças da soja.  

 

Assim, a prevenção se torna mais fácil e o controle de um ataque mais rápido. A seguir, saiba como os principais ácaros da soja se apresentam nas lavouras. Porém, antes disso, é importante destacar que a disseminação dos ácaros nas plantações de soja acontece pelo vento, máquinas e equipamentos e por sementes infectadas. 

Ácaro-verde

De acordo com o Senar/ SC, o Mononychellus planki é uma espécie que se manifesta em pequenas quantidades populacionais. No entanto, períodos de estiagem durante o estádio de enchimento de grãos favorecem sua incidência no campo e, consequentemente, seus danos. 

 

Plantas sob ataque do ácaro-verde apresentam, inicialmente, pontos esbranquiçados próximos das nervuras das folhas e, quando bem desenvolvidos, se expandem em todo limbo foliar. 

 

“Ambos os lados das folhas são afetados, porém mais intensamente na face inferior. O ataque ocorre em grandes reboleiras, de coloração opaca, que comprometem o desenvolvimento normal das plantas de soja”, detalha a entidade.

 

Conforme uma pesquisa da Embrapa, o ataque do ácaro-verde acontece com maior intensidade no enchimento dos grãos da soja, principalmente em períodos chuvosos. “Manejos de praga com uso racional de inseticidas e inseticidas seletivos apresentam ataques menos intensos de ácaro-verde”. 

Ácaro-rajado 

Uma planta de soja infectada com o ácaro-rajado apresenta furos no limbo foliar. Nesse caso, o ataque da praga acontece de maneira aleatória e sem nenhuma uniformidade, porém seus sintomas são concentrados em manchas nas folhas. 

 

No início, a presença desse tipo de ácaro pode ser identificada a partir de pontos claros nas plantas, que evoluem para pontos maiores acinzentados cobrindo toda a folha. Quando não controlado, pode provocar desfolha precoce e, em situações mais graves, a morte da planta. 

 

De acordo com a Embrapa, “o ácaro-rajado ocorre, comumente, em pequenas reboleiras na lavoura, e seu ataque costuma ser mais intenso do que o do ácaro-verde”. 

Diferente dos outros ácaros, sua incidência nas lavouras acontece com maior intensidade em longos períodos de estiagem e seca.

Ácaros-vermelhos 

Como o próprio nome diz, uma planta sob ataque de um dos três tipos de ácaros-vermelhos apresenta, em um primeiro instante, manchas vermelhas pelas nervuras das folhas. Em estágio avançado, cobrem toda a folha, promovendo, então, a senescência.

Trata-se de uma espécie de menor importância à soja, porém com sintomas bem próximos dos ácaros-rajados.  

Todos se desenvolvem na face inferior das folhas, “onde depositam seus ovos e alimentam-se, causando-lhes injúrias que se caracterizam pela presença de clorose generalizada das folhas (enquanto que as nervuras permanecem verdes)”, conforme Embrapa.

Ácaro-branco 

Também conhecido como ácaro-tropical, ácaro-da-rasgadura e ácaro-da-queda-do-chapéu-do-mamoeiro, é uma espécie de ácaro que aparece com pouquíssima frequência e intensidade nas lavouras de soja, sendo mais identificados em plantações de pimentas. 

Para identificá-lo, é preciso ficar atento às folhas com aparência de encardidas, facilmente confundidas com viroses, uma vez que ataca a soja quando ainda são brotos ou estão com folhas novas. 

O ácaro-branco também pode atacar durante a formação das hastes e das vagens. “Em altas infestações, o ácaro-branco ataca também as vagens, tornando-as bronzeadas e retorcidas”. 

O ácaro se desenvolve melhor em regiões de altas temperaturas com baixa umidade do ar e luminosidade.

Como controlar um ataque de ácaros na cultura da soja

Como os ácaros são pragas de difícil identificação, por conta de seu tamanho, muitas vezes não são percebidos pelos produtores e, por isso, só são detectados quando já estão em estágio de contaminação avançada, em que os danos econômicos são grandes. 


Por isso, é importante que os sojicultores invistam em ações de prevenção à praga. Conforme a Embrapa, consiste no manejo integrado de pragas:
 

  • Utilizar produtos químicos seletivos e de maneira adequada;

  • Evitar inseticidas piretróides;

  • Investir em cultivares de soja sadias; 

  • Realizar o tratamento das sementes; 

  • Realizar a análise do solo nos períodos ideais;

  • Fazer aplicações de fungicidas somente quando necessário; 

  • Ficar atento aos sintomas de cada ácaro-praga; 

  • Contar com o apoio de um profissional para auxiliar na escolha do melhor produto químico.

Leia mais:

Conheça as soluções da BASF para este cultivo: