Usamos cookies de navegação neste site para garantir uma experiência mais personalizada e responsiva a você. Ao fazer uso, você também concorda com nossa Política de Privacidade de Dados. Saiba mais como cookies são utilizados ou como bloqueá-los ou deletá-los.

Brasil
Agricultura

Controles biológico e químico na lavoura de cana-de-açucar

No Brasil o controle biológico na lavoura da cana-de-açucar vem ganhando cada vez mais espaço. Mas, será que o produto fitossanitário que eu aplico não mata o inseto que eu estou liberando?

Ana Clara Ribeiro de Paula - Engenheiroa Agrônoma

br-cultura-da-cana.jpg

Primeiramente, vamos entender o controle biológico na plantação da cana-de-açucar, que é dividido em microrganismos e macro-organismos. Os primeiros são, em sua maioria, organismos microscópicos e consistem em espécies entomopatogênicas; ou seja, que são capazes de causar doenças em insetos (fungos, bactérias e vírus). Já os macro-organismos, podem ser enxergados a olho nu (mas não se engane, eles também podem ser muito pequenos) e são os predadores e parasitoides dos insetos-praga (insetos, ácaros e animais).

No caso da cana-de-açúcar, comercialmente falando, como exemplos de macro-organismos, temos duas vespinhas parasitoides para o manejo da broca-da-canaDiatraea saccharalis. A primeira, e mais utilizada, Cotesia flavipes (foto), parasita a fase larval da praga. Por sua vez, Trichogramma galloi parasita o ovo da praga. O uso associado desses dois parasitoides tem trazido resultados satisfatórios aos produtores.

Já como exemplo de microrganismo entomopatogênico utilizado no controle de pragas da cana-de-açúcar destaca-se o fungo Metarhizium anisopliae para o controle da cigarrinha-da-raíz Mahanarva fimbriolata. Além desse, outro fungo é utilizado no controle da broca-da-cana, Beauveria bassiana.

Controle químico é aliado no manejo de pragas na plantação da cana-de-açucar

Porém, também temos um grande aliado no manejo de insetos pragas e doenças na platanção de cana-de-açucar: o controle químico, que consiste, principalmente, na aplicação de inseticidas, fungicidas e herbicidas sintéticos para controle de agentes indesejados na cultura. Mas se o inseticida controla insetos e os fungicidas fungos, é possível a utilização desses dois métodos de controle (químico x biológico)?

A resposta é sim, graças aos estudos de seletividade. Esses estudos consistem em encontrar um produto que, controlando a praga, cause o menor impacto possível no agente de controle biológico. Lembrando que isso vale para os macro e microrganismos.

Esse efeito diferenciado em organismos que pertencem ao mesmo grupo se dá devido às diferenças fisiológicas entre as espécies. Além disso, existe a possibilidade de manejar os momentos de aplicação de acordo com as características ecológicas da praga e do agente de controle biológico.

É importante ressaltar que, além desses agentes que são comercializados, existem também aqueles que ocorrem no agro ecossistema naturalmente, o que chamamos de controle biológico conservativo. E esses 'quase invisíveis' integrantes da nossa lavoura fazem grande diferença no controle das tão temidas pragas.

Por isso, lembre-se sempre de certificar com o seu consultor técnico ou agrônomo se o produto que você tem é seletivo e garanta um manejo mais eficiente e sustentável na lavoura de cana-de-açucar.

Quer receber outros conteúdos, estudos exclusivos, ebooks e convites para eventos?

Leia mais:

Conheça as soluções da BASF para este cultivo:

cana.jpg

Cana-de-açúcar

Doenças, plantas daninhas e pragas provocam prejuízos na plantação de cana-de-açúcar. Descubra soluções inovadoras e sustentáveis para o manejo eficiente.
BR-AgMusa.png

AgMusa™ Agricultura de mudas sadias

Garanta a excelência no cultivo de cana-de-açúcar através de AgMusa™, as mudas pré-brotadas da BASF oriundas de material genético com elevado vigor e que permite a introdução rápida de variedades mais ricas e produtivas.
BR-header-lista-de-distribuidores-basf.jpg

Lista de Distribuidores

Confira os distribuidores da sua região.