Usamos cookies de navegação neste site para garantir uma experiência mais personalizada e responsiva a você. Ao fazer uso, você também concorda com nossa Política de Privacidade de Dados. Saiba mais como cookies são utilizados ou como bloqueá-los ou deletá-los.

Brasil
Agricultura

Partição de carboidrato em cultura anual

O que é partição de carboidrato? Qual a sua importância prática? Leia para saber mais sobre o assunto.

Prof. Neto - ESALQ-USP

particao-do-carboidrato-em-cultura-anual.jpg

Partição de carboidrato

A partição de carboidrato se refere à variação temporal do carboidrato oriundo da fotossíntese líquida que é alocado para fazer raiz, caule (haste no caso de feijão e soja e colmo no caso de milho), folha e órgãos reprodutivos.

Importância prática

A estratégia da planta de crescer e se desenvolver é reflexo da partição de carboidrato. O conhecimento dessa estratégia permite nortear e otimizar as ações de manejo.

No início (emergência) do ciclo das culturas (de milho, feijão e soja, por exemplo) até cerca da primeira metade da fase vegetativa, em geral, a raiz é o principal dreno fisiológico. Na segunda metade da fase vegetativa até o florescimento, o caule e as folhas são os principais drenos fisiológicos. Durante a fase vegetativa, a alocação de carboidrato aos órgãos reprodutivos é praticamente nula.

Durante o primeiro terço da fase reprodutiva, a partir do florescimento, ocorre o período de maior sensibilidade ao estresse (seja de natureza abiótica, como o estresse hídrico e o térmico, ou biótica, como pragas e doenças). Nesse período também ocorre maior demanda hídrica (evapotranspiração potencial da cultura – ETc, em mm/dia), devido a ocorrência do valor máximo de índice de área foliar (IAF).

Fenologia e manejo

A fenologia é a referência de manejo. O tempo é apenas uma referência prática. Graus-dia (ou índice térmico ou soma calórica ou soma térmica) é a referência de planejamento.

Fenologia: estádios e fases

O momento de caracterização da planta (escala do fisiologista de planta) ou da cultura (escala do fitotecnista) se refere tecnicamente ao estádio fenológico (na língua portuguesa, estádio também pode significar período: talvez essa seja a razão da imprecisão da terminologia utilizada nos cursos de Agronomia).

O período entre dois estádios (momentos) se refere à fase fenológica. Por exemplo: (i) a fase vegetativa se refere ao período entre a emergência e o florescimento, e (ii) a fase vegetativa se refere ao período entre o florescimento e o ponto de maturidade fisiológica. Por outro lado, também podemos afirmar que a fase mais crítica à falta de água à cultura de milho é a que ocorre entre os seguintes momentos (estádios): florescimento e grãos leitosos.

A fenologia estuda a relação entre os diferentes estádios (caracterização do visível) com os eventos fisiológicos e bioquímicos (caracterização do invisível). Para caracterização do visível, normalmente utiliza-se o número de folhas ou nós durante a fase vegetativa e a caracterização dos órgãos reprodutivos (flor e semente botânica – semente ou grão) durante a fase reprodutiva.

Considerações finais

Toda e qualquer intervenção (ação de manejo) deve ter como referência os estádios fenológicos. Sendo assim, tanto a informação de pesquisa, quanto a recomendação prática, será extrapolável, portanto, independente do ambiente de produção.

A partição de carboidrato orienta a intervenção. Para intervir no sistema radicular, a melhor ação é o tratamento de sementes. Para otimizar o caule e as folhas (intervir para aumentar área foliar), a melhor ação é na segunda metade da fase vegetativa. Para reduzir perda de área foliar e de flores, a melhor ação é durante o primeiro terço da fase reprodutiva. Para aumentar massa da semente botânica, a ação deve priorizar o segundo (principalmente) e o terceiro terço da fase reprodutiva. Sob condição de sequeiro, deve-se semear para que o período crítico (primeiro terço da fase reprodutiva) ocorra no período de máxima probabilidade de chover pelo menos a evapotranspiração potencial da cultura no período correspondente.

 

Quer receber outros conteúdos, estudos exclusivos, ebooks e convites para eventos?

Cadastre-se agora!

Leia mais:

Conheça as soluções da BASF para este cultivo:

BR-cultura-do-milho.png

Milho

Pragas, plantas daninhas e doenças como a ferrugem tropical prejudicam o cultivo de milho. Confira as soluções integradas e sustentáveis da BASF!

Leia mais
BR-Abacus-HC.png

Abacus® HC Fungicida

Tenha uma lavoura livre de doenças e mais produtiva com o Abacus® HC. O fungicida é altamente eficiente no controle das ferrugens e manchas nas lavouras de milho, bem como de outros importantes cultivos.

Leia mais
BR-header-lista-de-distribuidores-basf.jpg

Lista de Distribuidores

Confira os distribuidores da sua região.

Leia mais