Brasil
Agricultura

As cinco principais doenças foliares na cultura do amendoim

As doenças foliares na cultura do amendoim são responsáveis por grandes perdas na produtividade agrícola. Saiba mais.

Giovani Assoni - ESALQ | USP 

Cercosporiose

Amplamente disseminada em todas as regiões produtoras de amendoim do país, duas são as doenças conhecidas pelo nome de cercosporiose: mancha castanha e mancha preta. Ambas causam redução da área foliar e queda prematura das folhas, podendo causar perdas superiores a 50% na produtividade.

  • a) Mancha castanha: Causada pelo fungo Cercospora arachidicola, os sintomas dessa doença são representados por lesões arredondadas de cor castanha com bordos amarelos, sendo manifestados (os primeiros sintomas) por volta de 40 dias após a semeadura. Epidemias de mancha castanha são favorecidas por períodos de alta umidade relativa e temperaturas entre 16ºC e 25°C, nesses casos a produtividade pode ser reduzida em até 70%. O patógeno se dispersa pelo vento e consegue sobreviver em restos de cultura do ano anterior.
  • b) Mancha preta (ou pinta preta): Causada pelo fungo Cercosporidium personatum, os sintomas dessa doença são representados por lesões pretas circulares, as quais se tornam visíveis aproximadamente após 40 a 45 dias da emergência inicial das plantas. Epidemias de mancha preta são favorecidas por períodos prolongados de molhamento foliar (igual ou superior a 10h) e temperaturas entre 20ºC e 26°C. Assim como na mancha castanha, o patógeno responsável pela ocorrência da mancha preta também sobrevive em restos culturais e se dispersa através do vento, porém a dispersão desse fungo é mais rápida, fato esse que torna essa doença mais agressiva quando comparada com a mancha marrom. No Estado de São Paulo, por exemplo, a mancha preta tem se mostrado predominante e a mais severa entre as doenças foliares do amendoim.

Medidas de controle: uma das estratégias de controle para a Cercosporiose é através de medidas que visam a redução do inóculo inicial, como por exemplo, a rotação de culturas; incorporação de restos culturais através de aração profunda e destruição de plantas voluntárias ("tigueras”). Outra forma de controle do patógeno é através da redução da taxa de infecção, a qual pode ser feita pela utilização de fungicidas registrados para a cultura e uso de cultivares resistentes.

VERRUGOSE

A doença é causada pelo fungo Sphaceloma arachidis e por muito tempo foi considerada uma doença de pouca importância por ocorrer somente no final de ciclo. Porém com o passar dos anos essa doença tem se tornado um sério problema nos estágios iniciais da cultura pois os sintomas se manifestam em toda a parte aérea da planta. Nas folhas, por exemplo, as lesões se apresentam de forma arredondada ou irregular, com centro deprimido e margem saliente, as quais podem ser vistas em ambas as faces. As manchas se manifestam em pequenas lesões de coloração pardo-clara e em grande número, sendo localizadas geralmente em cima ou ao lado da nervura foliar. Plantas afetadas de maneira severa tornam-se amarelas e secam prematuramente o que causa enorme redução na produtividade.

Os sintomas da Verrugose em alguns casos podem ser confundidos com sintomas de ataque de tripes. Segundo o Manual de Fitopatologia, em casos em que a praga (tripes) não é controlada adequadamente, aumenta-se a incidência de Verrugose, porém as razões para esse comportamento não foram totalmente descobertas.

  • Medidas de controle: A principal estratégia de controle da Verrugose no amendoim é através da utilização de medidas que reduzam o inóculo inicial do patógeno, medidas essas descritas anteriormente no controle da Cercosporiose (rotação de culturas, incorporação de restos de cultura e destruição de plantas voluntárias). Além disso, em situações normais, os produtos utilizados para o controle de Cercosporiose tem resultado em controle satisfatório no controle da Verrugose, porém em situações muito favoráveis à doença, fungicidas do grupo dos triazóis são os que apresentam os melhores resultados (Manual de Fitopatologia, 2016). A Embrapa também afirma que manter a população de tripes sob controle é uma estratégia que tem dado resultado para que a Verrugose não ocasione sérios problemas.

FERRUGEM

Causada pelo fungo Puccini arachidis, os sintomas dessa doença são caracterizados por pontuações amarelas na folha, as quais com o desenvolvimento progridem para pontuações de coloração marrom-avermelhada. Apesar de possuir a capacidade de se manifestar em ambas as faces da folha, há uma predominância de aparecimento dos sintomas na face inferior. Essa doença tem grande importância na cultura do amendoim causando redução da área foliar e em condições favoráveis (alta umidade e temperaturas entre 20 e 30°C) as reduções na produtividade podem ser semelhantes as observadas nas cercosporioses.

Medidas de controle: as principais medidas de controle da ferrugem na cultura do amendoim são através da rotação de cultura, utilização de cultivares resistentes e utilização de fungicidas registrados para a cultura.

MANCHA BARRENTA

Causada pelo fungo Phoma arachidicola, os sintomas da doença são caracterizados por manchas pardas irregulares que quando coalescem tomam grande área da superfície da folha. Atualmente a mancha barrenta é considerada uma doença de importância secundária, porém alguns cuidados devem ser levados em conta, sobretudo em momentos mais favoráveis para a ocorrência da doença, como por exemplo, temperaturas mais amenas (15 a 21°C) e períodos prolongados de molhamento foliar.

Medidas de controle: o Manual de Fitopatologia afirma que as principais medidas de controle dessa doença são através da utilização de estratégias que venham a reduzir o inóculo inicial, como por exemplo, rotação de culturas, incorporação de restos por aração profunda e destruição de plantas voluntarias. A utilização de cultivares de amendoim do Grupo Valência, aparentemente, apresenta maior resistência quando comparada ao Grupo Spanish, além disso, fungicidas utilizados no controle das cercosporioses mantem a mancha barrenta sobre controle.

MANCHA EM "V"

Causada pelo fungo Leptosphaerulina crassiasca, a doença causa maiores problemas durante o início do ciclo da cultura, reduzindo a área fotossintética da folha. O principal sintoma é manifestado por uma queima a partir do ápice do folíolo na forma de “V” com o vértice voltado para baixo, formando um halo amarelado nítido. O fungo é favorecido em condições climáticas em que há alta umidade relativa do ar e temperaturas entre 20 e 30°C.

Medidas de controle: As principais maneiras de manejar a doença conhecida como mancha em “V” são representadas pela rotação de culturas, eliminação de restos culturais e destruição de plantas voluntárias.

As doenças foliares causam sérios problemas aos agricultores. Nesse post abordamos as 5 principais doenças foliares na cultura na cultura do amendoim, bem como as principais medidas para maneja-las. Espero que essa matéria possa ajudá-lo na condução da lavoura.

Amigo produtor gostou de nossa matéria? Deixe nos comentários suas dúvidas, experiências e sugestões. Suas perguntas poderão servir de base para as novas publicações.

Quer receber outros conteúdos, estudos exclusivos, ebooks e convites para eventos?

Leia mais:

Conheça as soluções da BASF para este cultivo:

BR-header-amendoim.png

Amendoim

Doenças, pragas e plantas invasoras podem comprometer a produtividade do cultivo de amendoim. Evite perdas fazendo um manejo eficiente e sustentável.

Opera® Fungicida

Não deixe que as doenças foliares como ferrugem e Cercosporiose prejudiquem a sua produção. Com o fungicida Opera® você garante maior proteção para o café, além de outros cultivos, contribuindo para o aumento da qualidade e produtividade.

Lista de Distribuidores

Confira os distribuidores da sua região.