Brasil
Agricultura

Doença é disseminada por meio de sementes e de restos de culturas de entressafra 

A mancha-alvo, causada pelo fungo Corynespora cassiicola, é hoje uma das doenças primárias da soja - ou seja, está entre as que mais afetam a sojicultura brasileira. Quando não controlada, pode afetar até 40% das plantações, conforme a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

 

Sua incidência é muito comum nas lavouras de todo o Brasil. No entanto, se manifesta com maior intensidade nas regiões do cerrado e do norte do país. Isso porque altas temperaturas e grande umidade favorecem seu desenvolvimento.

 

A doença é disseminada por contaminação de sementes e por restos de culturas de entressafra, representando assim um grande risco principalmente para as lavouras que adotam o sistema de plantio direto. Por isso, a importância do vazio sanitário.

 

A mancha-alvo pode afetar todas as partes da soja, desde sua planta até as raízes. O principal sintoma de sua presença na lavoura é o aparecimento nas folhas de manchas em formas de círculos, com pontos escuros no centro, criando um aspecto semelhante a um alvo, levando à queda precoce das folhas e prejudicando a produtividade.

Controle da mancha-alvo

Nas últimas safras, sojicultores de todo país notaram o patógeno causador da doença se desenvolvendo com maior facilidade nas lavouras. Cultivares mais suscetíveis, secessão com o cultivo do algodão e resistência aos fungicidas são os principais motivos para esse avanço.

 

Portanto, para diminuir sua incidência nas lavouras, é necessário utilizar cultivares resistentes ao fungo ou tolerantes, que melhor se comportam em sua presença e adquirir sementes certificadas. Realizar o tratamento dessas sementes é uma ótima alternativa para combater a mancha-alvo desde o início.

 

Aliado a isso, recomenda-se a rotação de culturas com gramíneas - como o milho - e a utilização de fungicidas capazes de controlar os avanços da doença e até mesmo evitá-la.

 

De acordo com o consultor de Marketing de Soja da BASF, Daniel Holzhausen, a limitação de moléculas capazes de controlar a doença com eficiência e o manejo inadequado a torna ainda mais desafiadora aos produtores.

 

Por isso, para o combate da mancha-alvo, o especialista recomenda o Blavity®, um produto com formulação inovadora, com  baixa dosagem e resultados satisfatórios.

 

Blavity® apresenta duplo modo de ação e auxilia também no controle de outras doenças fúngicas como a ferrugem-asiática. Sua atuação inibe a germinação dos esporos e pode ainda impedir o crescimento do fungo após a infecção.

 

Para prevenir a evolução da doença na lavoura, é indicado o uso do fungicida Aumenax® na primeira aplicação. O produto possui amplo espectro de ação, e é de fácil utilização. Sua formulação diferenciada, evita a ocorrência de entupimentos no bico de pulverização.

Atenção: este produto é perigoso à saúde humana, animal e ao meio ambiente. Uso agrícola. Venda sob receituário agronômico. consulte sempre um agrônomo. Informe-se e realize o manejo integrado de pragas. Descarte corretamente as embalagens e os restos dos produtos. Leia atentamente e siga as instruções contidas no rótulo, na bula e na receita. Utilize os equipamentos de proteção individual. Os produtos Aumenax® e Blavity®  estão devidamente registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento sob os números: 07720 e 10820, respectivamente.

Leia mais:

Conheça as soluções da BASF para este cultivo: