Usamos cookies de navegação neste site para garantir uma experiência mais personalizada e responsiva a você. Ao fazer uso, você também concorda com nossa Política de Privacidade de Dados. Saiba mais como cookies são utilizados ou como bloqueá-los ou deletá-los.

Brasil
Agricultura

Fastac® 100 | Inseticida para soja e outros cultivos

Não deixe que as lagartas prejudiquem a produtividade do seu cultivo de soja. Com o inseticida Fastac® 100 você assegura um manejo eficiente na lavoura de soja e outros cultivos.

A lagarta-da-soja e a lagarta-falsa-medideira são pragas que estão presentes nas principais regiões produtoras de soja no Brasil e podem causar perdas irreversíveis para o cultivo, caso o controle não seja feito corretamente.

A intensa desfolha provocada por essas lagartas limita a realização da fotossíntese da planta, necessária para a nutrição e desenvolvimento da soja. Sem esse processo, as lagartas também comprometem a produtividade e a qualidade do cultivo da soja.

Por isso, o primeiro passo é fazer seu monitoramento para sbaer escolher a melhor estratégia de manejo.

A BASF, atenta às necessidades dos produtores rurais, oferece o inseticida Fastac® 100. A solução é indicada para o controle da lagarta-da-soja e lagarta-falsa-medideira no cultivo da soja. O inseticida Fastac® 100 age por contato e ingestão. 

Fastac® 100 também é recomendado no controle da lagarta-das-maçãs no cultivo do algodão, vaquinha-verde-amarela na batata, bicho-mineiro-do-café no cafeeiro e broca-pequena-do-fruto no cultivo de tomate

Fastac® 100

Benefícios

  • Excelente custo-benefício.
  • Excelente ação de choque.
  • Uso recomendado para todas as regiões produtoras do país.

Veja como melhorar a produtividade do seu cultivo com o inseticida Fastac® 100:

BR-cultura-da-soja.PNG

No cultivo da soja o controle de lagartas segundo a EMBRAPA CNPSo, deve ser iniciado quando essas pragas atingirem o nível de 40 lagartas por pano de batida*. Repetir a aplicação sempre que a infestação atingir novamente esses patamares. Realizar no máximo 2 aplicações por ciclo da cultura.

*A batida de pano faz parte do Manejo Integrado de Pragas, o MIP, e deve ser intensificado na lavoura de soja após o estádio de florescimento.

Alvo biológico
Nome comum/científico

Lagarta-da-soja (Anticarsia gemmatalis), Lagarta-falsa-medideira (Chrysodeixis includens)

Dose*
ML p.c./ha

120

Dose*
ML p.c./100 L

-

Volume de calda
(L/ha)

150 - 200

Número Máximo de Aplicações
2

BR-cultura-do-tomate.png

No início da floração do tomateiro, se forem observadas mariposas, você deve fazer o tratamento preventivo contra a broca. Não ultrapassar 3 aplicações por ciclo da cultura.

Alvo biológico
Nome comum/científico

Broca-pequena-do-fruto (Neoleucinodes elegantalis)

Dose*
ML p.c./ha

-

Dose*
ML p.c./100 L

10

Volume de calda
(L/ha)

700

Número Máximo de Aplicações
3

BR-header-produtos-basf-algodao.png

Dependendo da região e ciclo da cultivar, o controle das lagartas na lavoura de algodão deve iniciar assim que houver de 10 a 12% de botões florais ou maçãs atacadas. Repetir o manejo sempre que a infestação atingir esses níveis. Para o curuquerê é recomendado iniciar as aplicações quando a infestação atingir um nível de 25% de desfolha da planta. Não ultrapassar 3 aplicações por ciclo da cultura. Recomenda-se o uso de inseticidas piretroides a partir dos 80 dias do plantio do cultivo.

Alvo biológico
Nome comum/científico

Curuquerê (Alabama argillacea)

Dose*
ML p.c./ha

50

Dose*
ML p.c./100 L

-

Volume de calda
(L/ha)

200 - 300

Número Máximo de Aplicações
3

Alvo biológico
Nome comum/científico

Lagarta-das-maçãs (Heliothis virescens)

Dose*
ML p.c./ha

200

Dose*
ML p.c./100 L

-

Volume de calda
(L/ha)

200 - 300

Número Máximo de Aplicações
3

BR-cultura-da-batata.jpg

O controle da vaquinha-verde-amarela no cultivo da batata deve ser feito quando for identificado a presença da praga e o ataque nas folhas. Reaplicar o inseticida semanalmente enquanto a praga estiver atacando a cultura. Máximo de 2 aplicações.

Alvo biológico
Nome comum/científico

Vaquinha-verde-amarela (Diabrotica speciosa), Vaquinha-das-solanáceas (Epicauta atomaria)

Dose*
ML p.c./ha

-

Dose*
ML p.c./100 L

20

Volume de calda
(L/ha)

500

Número Máximo de Aplicações
2

BR-cultura-do-cafe.png

No cultivo de café o controle do bicho-mineiro-do-café deve iniciar quando for detectado o nível de dano econômico estabelecido para a praga no cultivo. Repetir sempre que a infestação atingir o nível de dano. Fazer no máximo 2 aplicações por ciclo da cultura.

Alvo biológico
Nome comum/científico

Bicho-mineiro-do-café (Leucoptera coffeella)

Dose*
ML p.c./ha

50-60 mL por 1000 covas

Dose*
ML p.c./100 L

-

Volume de calda
(L/ha)

700

Número Máximo de Aplicações
3

Composição

Ingredientes Ativos
Alfa-cipermetrina

Grupos químicos
Piretróide

Concentração
100 g.i.a/L

Formulação
EC (Concentrado Emulsionável)

Embalagem

10 x 1 L
4 x 5 L

SELO CROPLIFE

Uso exclusivamente agrícola. Aplique somente as doses recomendadas. Descarte corretamente as embalagens e restos de produtos. Incluir outros métodos de controle dentro do programa do Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponíveis e apropriados. Registro MAPA: Fastac® 100 nº 002793.

Conheça nossas soluções