Brasil
Agricultura

Secagem, beneficiamento e armazenamento das sementes de soja | BASF

Para que a alta qualidade das sementes de soja obtidas no campo seja conservada até a próxima safra, é fundamental realizar alguns processos de pós-colheita, como a secagem, beneficiamento e o armazenamento de forma correta. 

Esses processos, quando realizados da maneira correta, contribuem com a redução dos níveis de umidade, injúrias, e com a eliminação de fungos ou patógenos causadores de doenças. Como consequência, conservam a qualidade das sementes por mais tempo. 

A seguir, saiba o objetivo de cada um desses processos de pós-colheita e entenda como eles funcionam. 

Secagem

A colheita de soja no Brasil ocorre ao longo de todas as regiões do país entre os meses de fevereiro e junho, a depender das condições de umidade e ambientais de cada área cultivada. 

Este é um período bastante úmido, por isso, as sementes chegam nas Unidades de Beneficiamento de Semente (UBSs) com mais de 12% de umidade. Isso porque, em alguns casos, ainda não atingiram a maturidade máxima ou foram colhidos com maior umidade. 

Para que estejam em boas condições de plantio até a próxima safra, a taxa ideal de umidade das sementes é de, no máximo, 12%. Esse valor é atingido por meio do processo de secagem, que busca retirar das sementes o excesso de umidade. 

Benefícios da secagem 

  • Reduz as perdas de grãos. 

  • Aumenta a longevidade das sementes. 

  • Dificulta a infestação de insetos ou fungos. 

  • Permite a antecipação da colheita. 

Na soja, a secagem pode ser feita de maneira natural ou artificial. Enquanto a primeira acontece ainda no campo, sem a ação do homem, a segunda é feita nas UBSs, com o auxílio de maquinários modernos e de profissionais capacitados. 

No caso da secagem mecânica, a técnica mais utilizada é a contínua, que recebe os grãos na parte superior dos secadores com ar quente e, antes de transportá-los aos silos, resfria-os para garantir que não quebrem ao entrar em contato com a temperatura ambiente. 

Beneficiamento

O beneficiamento de soja é uma das etapas mais importantes no processo de conservação dos grãos. Ele garante o aprimoramento das qualidades fisiológicas, genéticas, físicas e sanitárias das sementes. 

Para que materiais inertes, sementes de outras culturas ou de plantas daninhas, restos culturais, sujeiras e impurezas sejam eliminados dos lotes de grãos, o processo é feito em sete etapas fundamentais, que compreende as fases de recepção, amostragem, pré-limpeza, secagem, classificação, limpeza e armazenamento.  

A forma correta de realizar um beneficiamento consiste no investimento em equipamentos de qualidade, capazes de realizar a separação de materiais por textura, forma, cor, tamanho e outras propriedades. 

De acordo com uma publicação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária 

(Embrapa), a operação de beneficiamento deve seguir a sequência: 

  • Máquina de ar e peneiras (MAP). 

  • Separador em espiral.

  • Padronizadora por tamanho.

  • Mesa de gravidade. 

  • Tratador de sementes (se necessário). 

  • Embaladora. 

Durante todas as fases do beneficiamento, as empresas e cooperativas podem verificar os danos nos grãos, causados por maquinários, por meio de testes de tetrazólio e de hipoclorito de sódio. 

Armazenamento

Apesar de estar listado ao final do processo de conservação das sementes de soja na pós-colheita, o armazenamento dos grãos começa ainda no campo, quando a semente atinge sua maturidade e começa a fazer o processo de secagem das vagens, e segue até a retirada das sacas ou big bags nos armazéns. 

A correta armazenagem possibilita a preservação da qualidade das sementes até o próximo plantio, que ocorre na safra seguinte. 

Para manter o vigor e a longevidade da soja, é preciso guardar as cultivares em ambientes arejados, com temperaturas médias de 25ºC e umidade relativa do ar em 70% e limpos, isto é, livres de roedores e fungos. 

O armazenamento das sementes pode ser feito a granel ou em sacarias. 

No primeiro caso, trata-se de um método temporário em que as sementes ficam guardadas em silos. Nessas estruturas, são necessários ventiladores para resfriamento das cultivares.

Já da segunda forma (por sacarias), a soja é embalada em sacos e guardada em armazéns até sua distribuição. Este modelo facilita a comercialização dos grãos. 

No processo de armazenamento, empresas e cooperativas localizadas em regiões com temperaturas acima dos 30ºC, precisam guardar as sementes em locais refrigerados.

Leia mais:

Conheça as soluções da BASF para este cultivo: