Brasil
Agricultura

Mancha parda costuma ser mais frequente no estádio de enchimento da soja

A mancha parda é uma doença causada pelo fungo Septoria glycines que se desenvolve em todo o Brasil, porém com maior intensidade em regiões de clima tropical, onde são registradas taxas elevadas de umidade e temperaturas acima dos 25ºC . 

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o agente causador da doença sobrevive em restos de culturas anteriores e se dissemina com facilidade pela água e pelo vento. 

 

Por ser uma doença de final de ciclo, normalmente seus surtos na lavoura acontecem no estádio de enchimento da soja. Por isso, se não controlada pode apresentar sérios danos à quantidade e à qualidade do grão, ao provocar a desfolha e a maturação precoce, situação que impacta diretamente a produtividade da lavoura colhida. 

Porém, a mancha parda, considerada uma doença foliar e também conhecida como septoriose, pode infectar uma lavoura em qualquer período da safra, inclusive no início, quando é oriunda de restos de outras culturas. 

Como se manifesta na soja

Os primeiros sintomas que indicam a presença da doença na soja começam a aparecer cerca de duas semanas depois do contato do fungo com as plantas. No início, aparecem pontos ou manchas bem pequenas nas folhas. 

 

Segundo a Embrapa, “são pontuações pardas, menores que 1 mm de diâmetro, as quais evoluem e formam manchas com halos amarelados e centros de contornos angulares, de referência parda na face superior da folha e rosada na face inferior, medindo de 1 a 3 mm de diâmetro”. 

 

Já em um estágio mais avançado, proporcionado pelas condições do ambiente, a mancha parda pode comprometer os primeiros trifólios da planta, o que leva então a severa desfolha. 

Como controlar a mancha parda 

Para que o controle da doença aconteça de maneira satisfatória, o produtor precisa investir no sistema de rotação de culturas, sendo o milho uma ótima opção. Além disso, também é necessária uma boa cobertura de solo e garantir a qualidade do solo, por meio de adubação, nutrição e correção da área. 

 

Por se desenvolver em ambientes úmidos e com maior facilidade em períodos chuvosos, a Embrapa orienta a aplicação de fungicidas nas lavouras, principalmente quando sua infestação acontece no estádio de enchimento das vagens. As aplicações preventivas ou até no início da ocorrência da doença evitam uma antecipação da curva de evolução da doença, o que favorece o desenvolvimento da cultura.

Leia mais:

Conheça as soluções da BASF para este cultivo: