Brasil
Agricultura

Daninha é considerada uma das mais prejudiciais às lavouras de soja

Saber como o capim-amargoso (Digitaria insularis) se comporta e quais são suas características frente às outras plantas daninhas, é de extrema importância para que seu controle nas lavouras de soja  aconteça com excelência.

 

Isso porque, quando não manejado adequadamente, pode ocasionar em perdas de quase metade de uma lavoura de soja. Ou, em casos mais graves, de até 70% do rendimento de grãos, segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que define a erva daninha como sendo uma das mais agressivas à cultura. 

 

Por isso, o ideal é identificar a planta daninha logo nos primeiros dias de sua emergência no campo. É nesse período que sua proliferação acontece em menor velocidade e, portanto, seu combate é mais eficiente. 

Da mesma forma, é preciso ficar atento às condições favoráveis ao capim — clima quente e úmido. E escolher o melhor produto para o seu controle, já que, nos últimos anos, a erva daninha desenvolveu resistência a herbicidas à base de glifosato.

Para ficar de olho

A principal característica de que a erva daninha está na lavoura são as touceiras espalhadas pela plantação, que podem ultrapassar um metro de altura, quando bem desenvolvidas. 

 

O capim-amargoso é uma planta perene, ou seja, que se desenvolve durante todo o ano, e possui uma estrutura ereta (panículas) com “plumas”, com colmos estriados e entre-nós longos. 

 

A erva também se caracteriza por conseguir sobreviver no solo por até dois anos após sua emergência. E por fim, se destaca por apresentar rizomas  — uma espécie de caules subterrâneos  — que quando bem nutridos dificultam o controle por parte dos produtores.

Leia mais:

Conheça as soluções da BASF para este cultivo: