Usamos cookies de navegação neste site para garantir uma experiência mais personalizada e responsiva a você. Ao fazer uso, você também concorda com nossa Política de Privacidade de Dados. Saiba mais como cookies são utilizados ou como bloqueá-los ou deletá-los.

Brasil
Agricultura

Saiba mais sobre a septoriose na cultura do tomate e manejo 

Dentre as doenças que afetam a cultura do tomate, a Septoriose é uma das mais importantes. Entenda o motivo e saiba como manejar.

Daniel Grossi - ESALQ / USP

manejo-da-septoriose-no-tomateiro-basf.jpeg

A Septoriose, ou mancha-de-Ssptoria, é causada pelo fungo Septoria lycopersici e é um problema em praticamente todas as regiões produtoras de tomate, tanto no Brasil como em outros países, principalmente em épocas mais quentes e chuvosas.

Entendendo a mancha-de-septoria na plantação de tomate

Os sintomas podem ser observados em qualquer fase de desenvolvimento da cultura do tomate, e se caracterizam pela presença de pequenas manchas de coloração palha de formato arredondado a elíptico e tamanho variando de 2 a 3 mm de diâmetro, principalmente parte inferior das folhas mais velhas das plantas.

Com a evolução da doença, as lesões vão adquirindo coloração mais acinzentada na parte central, com as bordas escuras, geralmente circundadas por um halo amarelo e aumentam de tamanho, podendo atingir 5 mm de diâmetro. Além das folhas, o fungo pode afetar também os caules, pedúnculos e flores. Os frutos são raramente afetados.

Quando o ataque da doença é severo, as lesões podem coalescer, formando grandes manchas de coloração pardo-escuras, deixando as folhas com aspecto de queimadas. Nestas situações, normalmente ocorre intensa desfolha, principalmente na parte mais baixa da planta, sintoma este conhecido como "Queima da Saia no tomate". Os frutos destas plantas severamente afetadas normalmente são menores e apresentam danos de queimadura, devido à exposição ao sol, e são mais desvalorizados, tanto para consumo in natura quanto pela indústria.

O fungo é favorecido por temperaturas entre 15 a 27oC e alta umidade e pode sobreviver em restos de cultura ou hospedeiros alternativos, e pode ser transmitido pelas sementes.

Alguns dos sintomas da doença podem ser vistos nas fotos abaixo.

manejo-da-septoriose-no-tomate.jpg

Foto 1: Lesões típicas da doença

manejo-da-septoriose-no-tomateiro-basf.jpeg

Foto 2: Sintomas mais avançados da doença, conhecido como "Queima da Saia", na parte mais baixa da planta.

Manejo da septoriose na cultura do tomate

Como vimos, o fungo pode ser transmitido pelas sementes. Desta forma, o uso de sementes e mudas sadias é fundamental. Além disso, é importante a rotação de cultura, principalmente com espécies de outras famílias botânicas, como gramíneas por exemplo e a remoção de restos culturais após a colheita, uma vez que o fungo sobrevive em partes vegetais do hospedeiro.

Além destas práticas, o controle químico, com uso de produtos registrados para a cultura e alvo é recomendado. Normalmente são utilizados fungicidas a base de triazóis, estrobilurinas, isoftalonitrilas, ditiocarbamatos e cúpricos e as aplicações são feitas no início dos primeiros sintomas, e repetidas em intervalos de 07 a 14 dias, se necessário, conforme recomendação de bula.

Quer receber outros conteúdos, estudos exclusivos, ebooks e convites para eventos?

Cadastre-se agora!

Leia mais:

Conheça as soluções da BASF para este cultivo:

BR-cultura-do-tomate.png

Tomate

Evite que pragas e doenças comprometam a produtividade de qualidade do cultivo de tomate. Saiba como fazer um manejo fitossanitário correto com soluções inovadoras e sustentáveis.

Leia mais
BR-Nomolt.png

Nomolt® 150

Não permita que as lagartas tirem o potencial produtivo da sua lavoura. Com o inseticida Nomolt® 150 você tem um excelente controle das lagartas que atacam a soja e outras culturas.

Leia mais
BR-header-lista-de-distribuidores-basf.jpg

Lista de Distribuidores

Confira os distribuidores da sua região.

Leia mais