Choose a location

    Pirate® inseticida para a soja e outros cultivos

    Pirate®: inseticida para a soja e outros cultivos

      Não deixe que as lagartas prejudiquem sua lavoura. Pirate® é uma excelente ferramenta para o controle das principais pragas na soja e outros cultivos.

      Sabemos que pragas como a Lagarta-das-maçãs, Helicoverpa e Lagarta-falsa-medideira podem provocar grandes perdas de produtividade na lavoura de soja. Por isso, o monitoramento e Manejo Integrado de Pragas (MIP) e o uso de soluções inovadoras são essenciais para evitar perdas e proteger a biotecnologia.

      O inseticida-acaricida Pirate® é recomendado para o controle das lagartas em diferentes fases do cultivo e do desenvolvimento da praga. Ele também tem efeito sobre outras importantes pragas.

      Pirate® apresenta um modo de ação único e trata-se de uma excelente ferramenta na rotação com outros produtos com diferentes mecanismos de ação, sendo ideal para o manejo de resistência. O inseticida-acaricida tem efeito translaminar, que possibilita atingir lagartas alojadas na parte de baixo das folhas, e um amplo espectro de controle com ação de choque e residual de controle.

      Pirate® também é recomendado para o manejo da Lagarta-das-maçãs no algodão, do Tripes na batata, da Mosca-branca no feijão, da Lagarta-do-cartucho no milho, da Traça-do-tomateiro no tomate e outras 12 culturas.

    Informações Técnicas

    Faça o download da bula, ficha de segurança e ficha de informação de segurança do produto para mais informações.

    Pirate®
    Benefícios
    Eficiência contra lagartas de difícil controle em diferentes estágios de desenvolvimento.
    Ótima ferramenta em rotação para manejo de resistência, como modo de ação único.
    Ótima opção para o manejo integrado de pragas e proteção da biotecnologia.
    Maior espectro de controle.

      Veja como melhorar a produtividade do seu cultivo com o inseticida Pirate®:

      Para mais informações sobre a bula, clique aqui.

    Cultivo de algodão

      • cultura de algodão

        Para o manejo da Lagarta-das-maçãs na lavoura de algodão iniciar as aplicações quando houver de 10 a 12% de botões florais ou maçãs atacadas.

        Tabela de dosagem

        Alvo biológico
        Nome comum/científico
        Lagarta-das-maçãs (Heliothis virescens)

        DOSE
        L p.c./ha
        1,0 - 1,5

        DOSE
        mL p.c./100 L
        -

        Volume de calda (L/ha)
        100 - 200

        Nº máximo de aplicações
        4

        Alvo biológico
        Nome comum/científico
        Lagarta-armigera (Helicoverpa armigera)

        DOSE
        L p.c./ha
        0,8 - 1,2

        DOSE
        mL p.c./100 L
        -

        Volume de calda (L/ha)
        100 - 200

        Nº máximo de aplicações
        4

        Alvo biológico
        Nome comum/científico
        Ácaro-branco (Polyphagotarsonemus tatus)

        DOSE
        L p.c./ha
        1,25

        DOSE
        mL p.c./100 L
        -

        Volume de calda (L/ha)
        100 - 200

        Nº máximo de aplicações
        4

        Alvo biológico
        Nome comum/científico
        Ácaro-rajado (Tetranychus urticae), Lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda)

        DOSE
        L p.c./ha
        1,0

        DOSE
        mL p.c./100 L
        -

        Volume de calda (L/ha)
        100 - 200

        Nº máximo de aplicações
        4

    Cultivo de batata

      • cultura de batata

        O controle de Tripes e outros insetos na lavoura de batata deve iniciar quando forem identificadas as primeiras infestações das pragas.

        Tabela de dosagem

        Alvo biológico
        Nome comum/científico
        Traça-da-batatinha (Phthorimaea operculella), Vaquinha-verde-amarela (Diabrotica speciosa), Tripes (Thrips tabaci)

        DOSE
        L p.c./ha
        0,50 - 0,75

        DOSE
        mL p.c./100 L
        -

        Volume de calda (L/ha)
        400

        Nº máximo de aplicações
        3

        Alvo biológico
        Nome comum/científico
        Larva-minadora (Lyriomyza huidobrensis)

        DOSE
        L p.c./ha
        0,75

        DOSE
        mL p.c./100 L
        -

        Volume de calda (L/ha)
        400

        Nº máximo de aplicações
        3

    Cultivo de feijão

      • cultura de feijão

        Iniciar as aplicações no cultivo de feijão assim que aparecerem os primeiros ataques das pragas.

        Tabela de dosagem

        Alvo biológico
        Nome comum/científico
        Mosca-branca (Bemisia tabaci raça B)

        DOSE
        L p.c./ha
        1,0

        DOSE
        mL p.c./100 L
        -

        Volume de calda (L/ha)
        100 - 200

        Nº máximo de aplicações
        3

        Alvo biológico
        Nome comum/científico
        Tripes (Thrips palmi), Vaquinha-verde-amarela (Diabrotica speciosa)

        DOSE
        L p.c./ha
        0,50 - 0,75

        DOSE
        mL p.c./100 L
        -

        Volume de calda (L/ha)
        100 - 200

        Nº máximo de aplicações
        3

    Cultivo de milho

      • cultura de milho

        No cultivo do milho a primeira aplicação deve ser no início da infestação da Lagarta-do-cartucho.

        Tabela de dosagem

        Alvo biológico
        Nome comum/científico
        Lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda), Acaro-rajado (Tetranychus urticae)

        DOSE
        L p.c./ha
        0,50 - 0,75

        DOSE
        mL p.c./100 L
        -

        Volume de calda (L/ha)
        100 - 200

        Nº máximo de aplicações
        2

    Cultivo de soja

      • cultura de soja

        No cultivo de soja, iniciar as aplicações no início da infestação da praga. Sempre respeitar os intervalos de aplicação que variam de 5 a 7 dias, dependendo da ocorrência e da evolução da praga.

        Tabela de dosagem

        Alvo biológico
        Nome comum/científico
        Lagarta-das-maçãs (Heliothis virescens)

        DOSE
        L p.c./ha
        0,50 - 1,2

        DOSE
        mL p.c./100 L
        -

        Volume de calda (L/ha)
        150 - 200

        Nº máximo de aplicações
        3

        Alvo biológico
        Nome comum/científico
        Helicoverpa (Helicoverpa armígera), Lagarta-militar (Spodoptera frugiperda), Lagarta-falsa-medideira (Chrysodeixis includens)

        DOSE
        L p.c./ha
        0,60 - 1,2

        DOSE
        mL p.c./100 L
        -

        Volume de calda (L/ha)
        150 - 200

        Nº máximo de aplicações
        3

        Alvo biológico
        Nome comum/científico
        Tripes (Frankliniella schultzei)

        DOSE
        L p.c./ha
        0,25 - 1,2

        DOSE
        mL p.c./100 L
        -

        Volume de calda (L/ha)
        150 - 200

        Nº máximo de aplicações
        3

    Cultivo de tomate

      • cultura de tomate

        Para o controle de Traça-do-tomateiro no cultivo do tomate iniciar o tratamento com Pirate® assim que forem observadas a presença de adultos nas armadilhas, ou mariposas ao redor da cultura, principalmente no período de floração. Para ácaros, aplicar o produto logo que for identificada a infestação.

        Tabela de dosagem

        Alvo biológico
        Nome comum/científico
        Traça-do-tomateiro (Tuta absoluta),  Ácaro-do-bronzeamento (Aculops lycopersici), Ácaro-rajado (Tetranychus urticae)

        DOSE
        L p.c./ha
        -

        DOSE
        mL p.c./100 L
        25 - 50

        Volume de calda (L/ha)
        1000

        Nº máximo de aplicações
        3

      Composição

      Ingrediente Ativo
      Clorfenapir    

      Grupo Químico
      Análogo de Pirazol

      Concentração
      240 g.i.a/L

      Formulação
      SC (Suspensão Concentrada)

      Embalagem

      10 x 1 L
      24 x 0,25 L
      4 x 5 L

      Aplique somente as doses recomendadas. Descarte corretamente as embalagens e restos de produtos. Incluir outros métodos de controle dentro do programa do Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponíveis e apropriados. Uso exclusivamente agrícola. Registro MAPA Pirate® nº 05898.

    TOP
    PROD-AEM